16 de novembro de 2011

Mas é ciúme, ciúme de você


Numa conversa informal com minhas queridas colegas de trabalho, falavamos sobre vários assuntos como roupas, sapatos, faculdade, filhos e claro que não podia faltar o elemento HOMEM. Falávamos o quanto os homens são previsíveis, egocêntricos, medíocres e etc. Mas o que me chamou mais atenção na conversa foi alguns depoimentos delas próprias falando de seus namorados e o ciúme exagerado deles, um sentimento doentio que insiste em atormentar a calma de seus relacionamentos.
Graças a Deus não tenho nenhuma experiência sobre o assunto, nunca tive e nem espero ter um namorado ciumento, porque a coisa que mais me irrita (depois de mentiras com um toque de falsidade ) é o ciúme. Acho ridículo o comportamento de uma pessoa doente de ciúme, sem falar que é um comportamento suspeito com atitudes doentias. Alguém controlando com quem você deve andar, falar, o que você tem que vestir, onde deve ir ou não deve ir, quem te liga ou pra quem você liga, MEU DEUS! deve ser um verdadeiro inferno ou algo bem próximo de lá.
E não temos só esse tipo de ciúme, existem váááarios tipos e eu poderia ficar citando milhões de exemplos como o cíume que eu tenho dos meus sapatos ou do meu kit de maquiagem que não chega a ser um ciúme doentio, mas um cuidado especial e tal. E existe também o ciúme da familia, dos amigos, dos objetos pessoais e até o ciúme do cachorro. Mas paremos por aqui por favor... stop please! que esse assunto ciúme é super baixa astral.
Só quero destacar que o sentimento para ser demonstrado a alguém ou a algo não precisa ser exagerado deve existir primeiro a liberdade, o espaço, o direito de ir e vir, sem medo de perder isso ou aquilo e mantendo a confinça primeiramente em você e em segundo na pessoa com quem se tem alguma relação. No meu caso deve existir um certo desapego aos bens materias, coisa que não é muito dificil já que sapatos e maquiagem sempre estão disponíveis no mercado.

15 de setembro de 2011

Quem é vivo sempre aparece

Nesse exato momento estou eu aqui na frente do meu pc procurando as palavras certas, (se é que existe as palavras certas). Bem, vocês não podem ver mas eu estou morrendo de vergonha e também não podem ter a certeza, mas eu estava com saudades de escrever, muita, mas muita saudade. Mas devido aos contratempos da vida (da minha vida) e a minha falta de criatividade, sim! eu andei sumida do Versos Mudos. E eu não estou nem um pouco orgulhosa disso, por isso me referi a vergonha que sinto. Porque só hoje, só hoje minha gente lembrei que esse mês é o mês de aniversário de um ano do Versos Mudos. Verdade. Foi dia 8 de setembro de 2010 que nasceu esse blog, criado pela pessoa que vos escreve. E eu uma mãe desnaturada só me lembrei disso hoje. Mas não importa porque eu continuo sendo a dona disso tudo aqui. É brincadeira gente. Esse blog é tão de vocês quanto meu, porque é otimo saber que alguém lê as loucuras e devaneios que eu escrevo.

Então como todo aniversário é digno de bolo, esse não será diferente. Aqui está ele. Tcharãn...
O BOOOLO!

Parabéns pra você nessa data querida, muitas felicidades, muitos anos de vida.... êêêêêêê. Discurso, discurso, discurso.
Tá! tábom, eu odeio discurso mas vou tentar falar alguma coisa.
- Parabéns Versos Mudos pelo seu 1º aninho de vida, que você possa a cada dia conquistar mais e mais leitores, e quem sabe ganhar o prémio pelo blog mais exótico do mundo. Não, aí já é demais né?! Vamos deixar essa de "o mais isso, o mais aquilo "de lado pra não ficar um discursso chato. E eu desejo que alcance seus objetivos, seu sonhos, que siga sempre pelo caminho do bem, que não divulgue coisas erradas, tipo coisas pornôs e besteiras sem noção. Há é você já divulga besteiras sem noção. Bom, é isso meu filho que eu tenho pra ti falar... Aaaaah já ia esquecendo... E eu tentarei ser uma mãe mais presente, mais responsável, eu disse: tentarei. Mas amor eu tenho de sobra, e é isso que importa.

E pra você que gosta é do estrago, continue lendo esse blog. Ele não  é o melhor, mas também não é o pior.




5 de agosto de 2011

Discurso do felizes para semre


Lembre-se dessa noite, porque ela é o começo de sempre. Uma promessa. Como uma recompensa por persistir com a vida tanto tempo sozinho. A fé de um ao outro e a possibilidade do amor. Uma decisão, para ignorar ou simplesmente levantar-se acima da dor do passado. O compromisso, que de uma vez liga duas almas e ainda serve laços prévios. A celebração, de uma chance ganha, e o desafio dos laços à frente. Porque dois é sempre mais forte que um. Como uma equipe, preparada contra à tempestade do mundo. E o amor... será sempre a força guiando nossas vidas. Para esta noite é mera formalidade... só um anúncio ao mundo para o longo dos sentimentos prendido. Promessas feitas há muito tempo no espaço sagrado de nossos corações.
One Tree Hill

29 de maio de 2011

Música para meus dias


A vida tem sons que pra gente ouvir precisa entender que um amor de verdade é feito canção, qualquer coisa assim. Que tem seu começo, seu meio e seu fim.
A vida tem sons que pra gente ouvir, precisa aprender a começar de novo. É como tocar o mesmo violão, e nele compor uma nova canção que fale de amor, que faça chorar, que toque mais forte esse meu coração.
Roupa Nova

E estive analisando minha situação, cheguei a coclusão que preciso 'não' retormar minha vida. Mas sim, recomeçar.
Preciso de uma nova canção, dessas que te faz feixar os olhos e só conseguir sentir a brisa nos seus cabelos e o arrepio no seu corpo.
As letras não serão como as de antes, porque o passado não volta e não se pode mudar o que já foi escrito, mas será uma nova música com mais acordes e melhor cantada.
Assim será a música para os meus dias.

20 de maio de 2011

Tomara...




Tomara que a gente não desista de ser quem é por nada nem ninguém deste mundo. Que a gente reconheça o poder do outro sem esquecer do nosso. Que as mentiras alheias não confundam as nossas verdades, mesmo que as mentiras e as verdades sejam impermanentes. Que friagem nenhuma seja capaz de encabular o nosso calor mais bonito. Que, mesmo quando estivermos doendo, não percamos de vista nem de sonho a ideia da alegria. Tomara que apesar dos apesares todos, a gente continue tendo valentia suficiente para não abrir mão de se sentir feliz.
Caio Fernando Abreu.
As covardias desse mundo têm me feito muito mal. Mas tomara que em algum lugar a onde quer que a justiça esteja, ela rêpensa e volte para prevalecer. E tomara que eu possa sorrir com vontade novamente... tomara. 

17 de maio de 2011

Encontros e Despedidas


Busco o sentido, busco o fundamento, a razão, a essência, a resposta... Muitos correm, trabalham, morrem sem meramente desfrutar se quer do seu tempo, morrem sem amar!
É como se a vida fosse uma estação, onde passa o trem. Os vagões são as fases da vida, as pessoas de cada vagão são as que vêm e as que vão nesta metáfora da vida.
A vida é assim, ficamos na estação. O que nos resta e apenas as lembranças daqueles que vêm e que vão.
O amor se torna tão relativo a ponto de nunca mais se ver quem se ama. Daí compreende-se que o amor é atitude, e se demorar a demonstrar, pode ser tarde demais.
A morte pode bater a sua porta, quando menos se espera... De uma forma inimaginável. Neste momento lágrimas não adiantaram o que nos resta e apenas dar o último olhar ao jardim que cultivamos ao longo da vida.
Neste momento temos horário marcado para adentrar no trem. Neste momento saímos da estação da vida, adentramos no vagão da morte. É o momento de despedida, das lágrimas, da dor. E quem na estação fica chora com a nossa ida.